sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Cine Action - Inimigo do Estado

Título no Brasil: Inimigo do Estado
Título Original: Enemy of the State
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Touchstone Pictures
Direção: Tony Scott
Roteiro: David Marconi
Elenco: Will Smith, Gene Hackman, Jon Voight
  
Sinopse:
Robert Clayton Dean (Will Smith) é um jovem advogado que trabalhando na capital dos Estados Unidos, Washington D.C, acaba descobrindo, sem querer, uma conspiração envolvendo altos membros do governo americano na morte de um senador da república. Depois que toma conhecimento dos fatos ele se torna um alvo, um "inimigo do Estado", pois todos querem encobrir o plano de assassinato.

Comentários:
Tony Scott foi um bom diretor, um cineasta talentoso que conseguia aliar inteligência com o pior do cinemão pipoca americano de verão. Eis aqui um exemplo. O roteiro é muito bom, bem desenhado, com uma trama que ficaria bem em qualquer tipo de gênero cinematográfico. Para falar a verdade "Enemy of the State" só não é melhor porque afinal de contas foi produzido por Jerry Bruckheimer! Quem conhece o estilo desse produtor de Hollywood já sabe o que encontrará pela frente: cenas e mais cenas de ação, cada uma mais espetacular do que a outra, mas também todas elas sem um pingo de criatividade, apelando para clichês em todos os momentos. Assim o filme acabou se tornando um cabo de guerra entre Tony Scott, tentando desenvolver uma boa trama, e seu produtor Bruckheimer, apelando o tempo inteiro para perseguições, correrias, explosões e tiroteios. No meio de tudo surge o astro Will Smith, que acaba sendo eclipsado pelos excelentes veteranos Gene Hackman e Jon Voight. Nesses momentos você percebe a diferença entre um ator de verdade e uma estrelinha popular. Smith, coitado, não chega nem aos pés da classe de um Gene Hackman. Chega até mesmo a ser uma covardia o encontro entre eles. Então é basicamente isso. Um bom filme de ação, prejudicado apenas pela ganância de seu produtor, tentando fazer do filme o mais comercial possível. Entre mortos e feridos porém ainda consegue ser uma boa diversão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Cine Action - A Guerra das Flechas

Título no Brasil: A Guerra das Flechas
Título Original: Choi-jong-byeong-gi hwal
Ano de Produção: 2011
País: Coreia do Sul
Estúdio: Venture Capital
Direção: Han-min Kim
Roteiro: Han-min Kim
Elenco: Chae-won Moon, Hae-il Park, Seung-ryong Ryu, Mu-Yeol Kim
  
Sinopse:
Coreia, século XVII. Após a morte de seu pai, assassinado por usurpadores guerreiros que promoveram um golpe de Estado, a jovem Ja-in (Chae-won Moon) e seu irmão fogem e se mudam para terras distantes. Seu martírio porém não chega ao fim. Treze anos após sua chegada no feudo pertencente ao seu tio, toda a região onde vive é invadida por tropas imperiais da Manchúria! Os novos conquistadores espalham teror e morte por onde chegam, causando a chacina e a escravidão do povo local. Filme indicado ao Asian Film Awards e ao Blue Dragon Awards.

Comentários:
Muito boa essa produção coreana sobre um dos períodos mais conturbados da história daquela nação. Como o próprio título da fita indica, o filme mostra os acontecimentos históricos reais quando a península coreana foi invadida pelos povos da Manchúria, uma região ao norte da China. Como era de praxe naqueles tempos obscuros os povos invasores e vitoriosos escravizavam os povos vencidos e conquistados com requintes de crueldade extrema. A personagem principal é um jovem que acaba vivendo todo esse caos e o pior de tudo, a temida invasão ocorre justamente no dia de seu casamento! Apesar de tudo isso não vá pensando que se trata de um drama, daqueles bem tristes e melancólicos. Não é essa a intenção do diretor e roteirista Han-min Kim. Ao invés de investir nessa linha ele preferiu acertadamente realizar um filme de guerra, ação e aventura, com muitas cenas de batalha e conflitos. Embora seja um pouco excessivo em sua duração o filme diverte bastante, sem apelar para exageros ou algo do tipo. A trama central se mantém firme, inclusive sob o ponto de vista histórico, e muitas cenas com muita ação vão se sucedendo. Uma delas é bem interessante, quando um pequeno grupo de soldados da Manchúria, os vilões do filme, acabam cercados por um feroz e selvagem tigre, bem no meio de uma ravina! A atriz Chae-won Moon também se mostra bem talentosa. A produção em si é muito boa, com ótimos figurinos e preciosa reconstituição de época. Tudo de muito bom gosto. Em relação ao nosso mercado deixo um aviso: procure por uma versão legendada, com som original, porque infelizmente a versão dublada no Brasil deixa bastante a desejar. Um trabalho muito mal feito, vamos convir. Então é isso, fica a dica desse filme coreano que vai certamente satisfazer a vontade dos fãs de filmes orientais. Vale a pena.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Cine Action - O Ataque

Título no Brasil: O Ataque
Título Original: White House Down
Ano de Produção: 2013
País: Estados Unidos
Estúdio: Twentieth Century Fox
Direção: Roland Emmerich
Roteiro: James Vanderbilt
Elenco: Channing Tatum, Jamie Foxx, Maggie Gyllenhaal

Sinopse:
Um grupo terrorista se faz passar por equipe de manutenção e entra no forte sistema de segurança da Casa Branca. Uma vez lá seu objetivo é fazer de refém o próprio presidente dos Estados Unidos. Para isso porém terão que passar por cima de Cale (Channing Tatum), um ex-militar de elite que está na Casa Branca ao lado da filha fazendo um tour turístico. Filme indicado ao MTV Movie Awards na categoria de Melhor Herói (Channing Tatum). Filme também indicado aos prêmios People's Choice Awards (Melhor Thriller de ação) e Teen Choice Awards (Melhor Filme do verão).

Comentários:
É mais um daqueles filmes de ação genéricos que são produzidos para os cinemas comerciais do grande circuito. Nada de muito original no roteiro. A produção só se destaca mesmo por ter um elenco muito acima da média e por ser tecnicamente muito bem realizada, com vários efeitos visuais de excelente nível técnico. Não espere por muita sutileza já que a direção foi assinada por Roland Emmerich, um cineasta que segue os passos de seu mestre Michael Bay, o rei das explosões gratuitas. O argumento é obviamente bem absurdo o que irá exigir do espectador uma certa cumplicidade - afinal de contas encarar uma invasão na Casa Branca com o sistema de segurança que deve existir por lá não é uma coisa simples de aceitar. Jamie Foxx e Maggie Gyllenhaal deixam por um momento o cinema mais sério e abraçam essa diversão sem maiores compromissos. Já Channing Tatum segue sua sina de tentar virar um astro do primeiro time - algo que acredito jamais acontecerá pois o sujeito é desprovido de carisma e talento. Melhor teria sido escalar outro elenco. A cantora Madonna que recentemente disse que queria explodir a Casa Branca bem que poderia ter participado do elenco, como uma terrorista maluca! Iria cair muito bem!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Cine Action - Vale da Luta

Título no Brasil: Vale da Luta
Título Original: Fight Valley
Ano de Produção: 2016
País: Estados Unidos
Estúdio: Cinestyle Media Group
Direção: Rob Hawk
Roteiro: Rob Hawk
Elenco: Susie Celek, Miesha Tate, Erin O'Brien
  
Sinopse:
Uma jovem mulher é encontrada morta. Tudo leva a crer que ela se envolveu no submundo das lutas clandestinas, com combates realizados em lugares distantes e escondidos, como florestas e propriedades abandonadas. Agora sua irmã Windsor (Susie Celek) decide descobrir o que efetivamente aconteceu. Ela se infiltra nesse mundo para encontrar o assassino de sua querida irmã assassinada.

Comentários:
Filme B de ação que a despeito disso conseguiu espaço no circuito comercial de cinemas, tanto nos Estados Unidos como no Brasil! Vai entender... O elenco é praticamente todo feminino, o que também não deixa de ser uma surpresa em termos de filmes desse gênero. O diretor e roteirista Rob Hawk claramente não parece preocupado em desenvolver um roteiro minimamente bem escrito. Ao invés disso ele investe mesmo nas cenas de lutas, que chegaram a ganhar elogios entre a imprensa americana. A trama tem inúmeras reviravoltas, mas nenhuma delas chega a funcionar direito. Na verdade o diretor Hawk se empenha mesmo em criar as condições suficientes para o "grande clímax", onde as jovens feministas se encontram para um grande quebra pau! Não acredito que vá interessar a muitos, embora essa coisa de fazer um filme de ação apenas com mulheres vá despertar pelo menos a curiosidade e o apoio dos movimentos mais centrados no fim do machismo no cinema, afinal se eles podem, por que elas não? Em termos puramente cinematográficos, por outro lado, não é muito convincente. Arrisque por sua própria conta e risco. O filme está em cartaz em todo o Brasil nesse fim de semana.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Cine Action - Pequenos Guerreiros

Título no Brasil: Pequenos Guerreiros
Título Original: Small Soldiers
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Universal Pictures, DreamWorks
Direção: Joe Dante
Roteiro: Gavin Scott, Adam Rifkin
Elenco: Kirsten Dunst, Gregory Smith, David Cross
  
Sinopse:
Uma empresa de armas de última geração compra uma fábrica de brinquedos e decide criar uma linha inovadora de soldados guerreiros em miniatura. Também é criada uma linha de inimigos, os Gorgonóides. Quando uma caixa com os pequenos guerreiros é desviada da fábrica e eles conseguem fugir, inicia-se uma verdadeira guerra entre os brinquedos por toda a cidade. Filme premiado pelo Sitges - Catalonian International Film Festival e International Film Music Critics Award (IFMCA) na categoria de Melhor Trilha Sonora Original (Jerry Goldsmith).

Comentários:
O criativo diretor Joe Dante dirigiu nos anos 90 esse simpático filme produzido por Steven Spielberg. A premissa é das mais bem boladas. Imagine um grupo de soldados de brinquedos que ganham vida e partem para uma missão real, em nosso mundo! Claro que fica claro desde o começo que Dante está na verdade fazendo uma grande homenagem aos anos de infância de todos nós, ao adentrar a mente de uma criança brincando com seus bonecos de ação, ao mesmo tempo em que dá vida a todos eles. O filme, como não poderia deixar de ser ao trazer o selo Spielberg de qualidade, é muito bem feito, com ótimos efeitos digitais. Os tais pequenos guerreiros são estereótipos de personagens de filmes de ação, com cabelo militar, muitos músculos, charuto na boca e armamento pesado! Claro que o filme é direcionado aos garotos, na faixa entre oito a doze anos, quando ainda se faz presente a imaginação infantil nas brincadeiras de criança. Mesmo assim, se você já for um marmanjo, provavelmente também curtirá por causa do inegável sabor nostálgico que o filme traz. Os anos da infância voltarão, pelo menos por algumas horas! Assista e se divirta!

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Cine Action - Sub Down - Alerta Nuclear

Título no Brasil: Sub Down - Alerta Nuclear
Título Original: Sub Down
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: The Carousel Picture Company
Direção: Gregg Champion
Roteiro: Silvio Muraglia, Daniel Sladek
Elenco: Stephen Baldwin, Gabrielle Anwar, Tom Conti, Chris Mulkey
  
Sinopse:
Guerra Fria. Uma expedição submarina é enviada ao pólo norte. Um grupo de cientistas americanos acompanham uma equipe de um submarino nuclear em viagem ao distante, frio e desolado Ártico. Uma vez lá a embarcação passa por problemas decorrentes da natureza hostil da região e fica preso no gelo. Assim os cientistas acabam se tornando a única esperança de salvação para todos aqueles tripulantes.

Comentários:
Parecia ser ao menos interessante, mas na verdade é um filme bem mediano. O roteiro procura colocar em dois lados opostos a mentalidade dos militares do submarino e a dos cientistas, esses bem pragmáticos, adeptos do lema de se fazer o que é preciso fazer. Já os militares tentam salvar o submarino com a sua força e disciplina. Para uma produção B dos anos 90 até que o filme não é tão mal. Claro que há todo o problema de se ficar datado demais, principalmente no que diz respeito a efeitos visuais, mas de qualquer forma a trama em si é suficientemente interessante para se manter a atenção. O curioso é que anos depois um submarino russo passaria por situação parecida, ficando perdido nas águas geladas dos mares do norte. Essa é seguramente uma das regiões mais hostis do planeta. Em termos de elenco temos mais um membro da família Baldwin que não conseguiu fazer muito sucesso na carreira. Stephen Baldwin de fato tinha pouco (ou quase nenhum) carisma e por isso isso acaba se tornando um problemão e tanto para o filme como um todo. Definitivamente essa falta de uma melhor equipe de atores contribuiu para que esse filme de ação e aventura se tornasse completamente esquecido com o passar dos anos. Contra o tempo, muitas vezes, não há mesmo salvação.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Cine Action - Segredos de um Crime

Título no Brasil: Segredos de um Crime
Título Original: Shadow of Doubt
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Largo Entertainment
Direção: Randal Kleiser
Roteiro: Myra Byanka, Raymond De Felitta
Elenco: Melanie Griffith, Tom Berenger, Craig Sheffer, James Morrison
  
Sinopse:
Após a morte brutal da filha de um bem sucedido homem de negócios, o rapper Bobby Medina é preso, acusado do crime. Com um histórico de envolvimento com drogas e violência ele se torna o principal suspeito do assassinato. A advogada Kitt Devereux (Melanie Griffith) é então enviada para atuar na sua defesa perante o tribunal. Ela desconfia que tudo não passa de uma grande conspiração para a prisão do acusado. O que se busca é efetivamente livrar o verdadeiro assassino da prisão.

Comentários:
Um bom filme de tribunal que hoje em dia segue pouco lembrado. Ok, muitos jamais vão conseguir engolir a estrela Melanie Griffith como uma advogada astuta e inteligente. A atriz nunca foi por essa linha em sua carreira. Suas personagens sempre foram bem diferentes disso. O curioso porém é que ela acaba convencendo, principalmente por causa do roteiro que é bem estruturado e não deixa falhas e nem pontas soltas em seu enredo. Tom Berenger também é outro bom motivo para se rever essa produção. Sempre admirei seu trabalho como ator, desde os tempos de "Platoon". Ele nunca chegou a se tornar um astro de primeira grandeza em Hollywood, isso é verdade, mas tampouco deixou de atuar em bons filmes como esse. Outro fato que contas pontos em favor de "Shadow of Doubt" é a própria trama de mistérios que envolve o crime. Em uma só linha de investigação você encontrará todos os tipos de conspirações, envolvendo até mesmo uma candidatura à presidente dos Estados Unidos. Para quem gosta desse tipo de filme, com muitas reviravoltas na história, é um prato cheio. Assista e tente seguir o fio da meada, descobrindo antes a identidade do verdadeiro assassino.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Cine Action - Temporada de Caça

Título no Brasil: Temporada de Caça
Título Original: Affliction
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Largo Entertainment
Direção: Paul Schrader
Roteiro: Paul Schrader
Elenco: Nick Nolte, Sissy Spacek, James Coburn, Willem Dafoe
  
Sinopse:
O xerife Wade Whitehouse (Nick Nolte) tem muitos problemas pessoais. Criado por um pai autoritário e brutal, ele tem problemas para se relacionar bem com amigos e mulheres. Agora ele até passa por uma fase mais calma e tranquila em sua vida ao namorar uma boa garota que entende e aceita seus defeitos. Tudo muda porém quando um homem é morto durante a temporada de caça na região. Ele teria levado um tiro acidental, mas as investigações acabam demonstrando que pode haver algo por trás de tudo.

Comentários:

Bom filme, uma bem sucedida fusão de filme policial com drama, que explora um crime que embora pareça meramente acidental, esconde algo misterioso nas sombras. O elenco é liderado por Nick Nolte, um ator que nem sempre conseguiu encontrar bons projetos ao longo da carreira. Há um background dramático em seu personagem pois ele sofreu abusos físicos e emocionais quando era mais jovem. Seu pai, interpretado pelo ótimo astro do passado James Coburn, era um homem irascível, irracional e violento. Isso lhe traz um trauma psicológico e uma herança emocional negativa complicada de superar. O bom roteiro foi baseado no romance policial escrito por Russell Banks. O veterano James Coburn foi premiado (justamente) com o Oscar de Melhor Ator coadjuvante por esse papel. Foi uma surpresa pois já estava na fase final da carreira e nunca tinha sido indicado antes ao prêmio. Um dos mais conhecidos profissionais do cinema, que havia se destacado tanto no passado interpretando vilões e pistoleiros em dezenas de filmes, finalmente havia sido reconhecido. Como diz o ditado "antes tarde do que nunca" Nick Nolte também foi lembrado pela Academia, sendo indicado ao Oscar de Melhor Ator. Não venceu, mas já ficou honrado pela lembrança. Isso tudo prova que apesar de "Temporada de Caça" ter uma ótima trama, seu grande mérito vem mesmo do elenco, em momento inspirado.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.


terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Cine Action - Vidas em Jogo

Título no Brasil: Vidas em Jogo
Título Original: The Game
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Propaganda Films
Direção: David Fincher
Roteiro: John Brancato, Michael Ferris
Elenco: Michael Douglas, Sean Penn, Deborah Kara Unger, Carroll Baker
  
Sinopse:
Nicholas Van Orton (Michael Douglas) é um rico e solitário banqueiro que procura por algum sentido a mais em sua vida. Tendo conquistado sucesso profissional e riqueza, o que poderia lhe faltar? Para amenizar seu tédio existencial seu irmão lhe dá o convite para participar de um clube exclusivo de membros da alta sociedade. O que Nicholas nem desconfia é que está prestes a entrar em um jogo mortal.

Comentários:
Bom filme de ação e suspense que foi bem recebido (em termos) pela crítica na época de seu lançamento. Muitos críticos americanos chamaram a atenção para o fato do cineasta David Fincher ter realizado um filme bem irregular. Ele se mostra muito inteligente e bem roteirizado nas duas primeiras partes do enredo, porém quando chega ao seu terço final desaba para o puro clichê! Anos depois o diretor se defendeu dessas acusações dizendo que não tinha controle total sobre a produção, o que levou a ter que se submeter a escolhas pessoais do astro Michael Douglas, o que acabou prejudicando o filme como um todo. Visando sucesso comercial acima de tudo (afinal Douglas também assinou a produção desse filme) ele acabou cortando certos aspectos que poderiam transformar esse "The Game" em uma pequena obra prima. Optando pelo lado mais banal, que não fugisse muito do lugar comum, obviamente procurando por uma bilheteria maior, Douglas acabou prejudicando o filme. É a tal coisa, nem sempre atores bem sucedidos sabem escolher o que é melhor para um filme. Quando a função de astro de Hollywood se mescla a de produtor, as coisas geralmente desandam, como podemos ver nesse filme que poderia certamente ser bem melhor do que realmente é. 

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Cine Action - Moby Dick

Título no Brasil: Moby Dick 
Título Original: Moby Dick 
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: American Zoetrope
Direção: Franc Roddam
Roteiro: Anton Diether
Elenco: Patrick Stewart, Henry Thomas, Bruce Spence, Hugh Keays-Byrne
  
Sinopse:
Moby Dick não é apenas uma baleia alpina do gênero cachalote. Na verdade é o próprio símbolo das forças da natureza, dos mares. Anos após o ataque quase mortal a um velho capitão ele descobre que terá a chance de reencontrar o feroz predador que arrancou uma de suas pernas em um ataque sangrento. Agora, obcecado em novamente reencontrar Moby Dick, ele percebe que o dia da sua vingança está chegando! Filme indicado pelo Globo de Ouro na categoria de Melhor Ator - Minissérie de TV (Patrick Stewart).

Comentários:
Trata-se na realidade de uma minissérie que foi exibida nos Estados Unidos e Europa em dois grandes episódios. No Brasil tudo foi reunido em apenas um filme e lançado no mercado de vídeo. Sempre gostei dessa versão do clássico livro escrito por Herman Melville por uma simples razão: a presença do ator Patrick Stewart interpretando a vigorosa figura do capitão Ahab. Eu me recordo bem que quando foi lançado o filme foi criticado por alguns por não ter bom ritmo, de tudo se desenvolver de forma muito lenta e coisas do tipo. Bobagem, qualquer adaptação de "Moby Dick" precisa contar com o devido respeito ao texto original e isso significa dar um espaço para que os atores declamem os ótimos diálogos escritos originalmente pelo autor do livro. Não adianta simplesmente realizar um filme de ação, com matança de baleias assassinas. Isso, nos dias de hoje, soaria até meio ofensivo. O que vale mesmo é explorar a luta de um homem contra seus traumas e demônios interiores, mesmo que eles acabem sendo personificados por um animal irracional que apenas luta pela sua sobrevivência. Com boa reconstituição história e elenco acima da média esse "Moby Dick" dos anos 90 feito para a TV se mostra, de forma surpreendente, como uma das melhores adaptações já produzidas. Ah e antes que me esqueça aqui vai outra informação preciosa: a série foi produzida por Francis Ford Coppola. Vale conferir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Cine Action - Fugindo do Passado

Título no Brasil: Fugindo do Passado 
Título Original: Twilight
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Robert Benton
Roteiro: Robert Benton, Richard Russo
Elenco: Paul Newman, Susan Sarandon, Gene Hackman, Reese Witherspoon, James Garner
  
Sinopse:
Ex-policial, agora aposentado, o detetive particular Harry Ross (Paul Newman) ganha a vida fazendo pequenos serviços, muitos deles sem grande importãncia. Tudo muda quando ele é contratado para entregar uma mala cheia de dinheiro a um chantagista. Seu cliente decide pagar uma alta soma em razão de uma chantagem que vem sofrendo, cujos detalhes Harry não tem pleno conhecimento. O problema é que há algo muito maior por trás, inclusive uma conspiração envolvendo um assassinato.

Comentários:
Bom filme policial cujo maior atrativo é a presença do veterano Paul Newman. Apesa da idade, o astro da era do cinema clássico americano esbanja carisma e versatilidade nesse bom roteiro, cheio de reviravoltas, que prende a atenção do espectador da primeira à última cena. Como se não bastasse toda a riqueza de nuances da trama principal, ainda temos um elenco de apoio excelente, de primeira linha, cheio de grandes nomes de Hollywood como Susan Sarandon, Gene Hackman, James Garner e Reese Witherspoon! O grande Gene Hackman (hoje aposentado das telas definitivamente) interpreta um velho ator que ficou milionário com sua carreira de sucesso. Os tempos de fama e glória porém ficaram no passado pois ele está morrendo de um agressivo tipo de câncer. Susan Sarandon interpreta sua esposa, uma atriz que não teve o mesmo êxito profissional. Ela parece esconder algo em seu passado, principalmente em relação ao desaparecimento de seu primeiro marido, um homem que simplesmente nunca mais foi visto, não deixando quaisquer pistas sobre o seu paradeiro. Teria ela algo a ver com o sumiço dele? Para Harry tudo pode ser investigado e encaixado em algo mais misterioso e nebuloso do que muitos pensam. Com essa boa trama, personagens bem desenvolvidos e um roteiro acima da média esse filme é sem dúvida muito bom. Enfim, eis aqui mais um grande momento na carreira de Paul Newman, cuja filmografia sempre foi uma das mais ricas da história de Hollywood. Ele foi um ator cuja simples presença já tornava obrigatório qualquer filme.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 14 de janeiro de 2017

Cine Action - Um Crime Perfeito

Título no Brasil: Um Crime Perfeito
Título Original: A Perfect Murder
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos
Estúdio: Warner Bros
Direção: Andrew Davis
Roteiro: Patrick Smith Kelly
Elenco: Michael Douglas, Gwyneth Paltrow, Viggo Mortensen, David Suchet
  
Sinopse:
Baseado na peça escrita por Frederick Knott, o filme mostra os detalhes de um crime planejado pelo frio e calculista Steven Taylor (Michael Douglas). Ele é um homem de negócios arruinado que precisa levantar uma grande soma rapidamente. Para isso ele resolve então assassinar sua própria esposa Emily Bradford Taylor (Gwyneth Paltrow), herdeira de 100 milhões de dólares. Sua plano é que outra pessoa cometa o crime, para que ele consiga se livrar através de um bem elaborado álibi. Para isso acaba usando o próprio amante da mulher! Filme vencedor do Blockbuster Entertainment Awards na categoria de Melhor Atriz - Suspense (Gwyneth Paltrow).

Comentários:
Esse filme é na verdade o remake de um dos maiores clássicos do cinema, "Disque M para Matar" (1954) de Alfred Hitchcock. A primeira questão que vem em nossa mente é se havia realmente necessidade de se refazer uma obra prima como aquela? Apesar de ser uma boa produção, bem realizada, elegante, contando com bom elenco, meu veredito é que esse filme dos anos 90 sequer precisava existir. A estória de crime e acobertamento de um marido assassino em busca da fortuna de sua esposa já havia encontrado sua versão final e definitiva pelas mãos do mestre do suspense. Tudo soa desnecessário. Se formos comparar então cada nome do elenco as coisas só pioram. Quem, em sã consciência, poderia preferir a gelada Gwyneth Paltrow ao invés da princesa Grace Kelly da versão original? É forçar demais a barra, não é mesmo? O filme só existe por causa dos caprichos do astro Michael Douglas. Ele queria dar seu toque pessoal nessa nova versão. Ao produzir essa nova versão Douglas quis soar como um renovador de antigos clássicos, como ele próprio declarou em entrevistas durante o lançamento do filme. O que ele não soube explicar é se havia mesmo alguma necessidade disso! Após assistir ao filme respondo com tranquilidade que não. Embora tenha uma bonita fotografia e alguns bons momentos, esse remake é como todo e qualquer remake de grandes clássicos: uma obra que sequer precisava existir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Cine Action - Incógnito

Título no Brasil: Incógnito
Título Original: Incognito
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Morgan Creek Productions
Direção: John Badham
Roteiro: Jordan Katz
Elenco: Jason Patric, Irène Jacob, Thomas Lockyer
  
Sinopse:
Harry Donovan (Jason Patric) é um artista frustrado que decide mudar sua vida. Não reconhecido por seus quadros ele resolve então entrar no ramo criminoso das pinturas falsificadas. Ele tem talento para isso. Em pouco tempo pinta um quadro e depois tenta passar para o mercado dizendo ser um original do grande pintor Rembrandt. Para seu golpe dar certo porém ele precisa da ajuda de uma especialista em arte, Broeck (Jacob).

Comentários:
Anda bem esquecido esse thriller de ação e suspense estrelado pelo ator Jason Patric. Ele era apontado na época como um dos mais promissores futuros astros de Hollywood, algo que nunca aconteceu. Ele certamente atuou em bons filmes, mas nunca chegou ao topo. Esse filme "Incógnito" tem sua dose de sofisticação e charme. Esse mundo das artes sempre foi muito sofisticado. Mesmo quando se trata de um criminoso em cena há inegavelmente um certo glamour no ar. O filme de um modo em geral é bom, porém nem todos vão gostar, uma vez que ele tem um ritmo um pouco mais lento do que o habitual. Pessoalmente sempre gostei muito do trabalho do cineasta John Badham. Seu grande sucesso na carreira veio com o musical "Os Embalos de Sábado à Noite", mas há outros excelentes filmes assinados pelo diretor como, por exemplo, "Drácula", "Jogos de Guerra" e até mesmo o policial "Tocaia". Esse filme segue sendo um de seus filmes menos conhecidos, mas isso não significa que seja fraco ou ruim, bem ao contrário, é uma boa produção explorando o submundo dos quadros falsificados em um mercado milionário. Vale conferir.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Cine Action - Tempestade

Título no Brasil: Tempestade
Título Original: Hard Rain
Ano de Produção: 1998
País: Estados Unidos, Inglaterra
Estúdio: British Broadcasting Corporation (BBC)
Direção: Mikael Salomon
Roteiro: Graham Yost
Elenco: Morgan Freeman, Christian Slater, Randy Quaid, Minnie Driver
  
Sinopse:
Durante uma enorme tempestade, um carro forte, de transporte de valores, levando mais de três milhões de dólares, fica atolado no meio do lamaçal. A oportunidade assim se torna perfeita para que criminosos ataquem o transporte, levando a fortuna. Dito e feito. Uma grande operação é montada, o carro é metralhado, mas um dos seguranças, Tom (Christian Slater), consegue fugir, levando todo o dinheiro, em um jogo de sobrevivência. 

Comentários:
Um bom filme de ação e suspense tecendo toda uma trama de violência e morte no meio do caos. O caos aqui é o da natureza, pois os personagens tentam sobreviver no meio de uma tempestade jamais vista antes. É óbvio que o roteirista Graham Yost mesclou dois subgêneros cinematográficos bem conhecidos. Um deles, o chamado "Filme de assalto", quando geralmente temos um grupo de ladrões profissionais tentando roubar uma grande soma em dinheiro. O outro é o conhecido "Filme-catástrofe", quando um grupo de pessoas tenta sobreviver a um grande cataclisma da natureza. A boa notícia é que pelo menos aqui a fusão funcionou muito bem. Os personagens passam longe do clichê, sendo que até mesmo o xerife da cidade, o tira Mike Collins (Randy Quaid), quer roubar os milhões, mostrando que não há espaço para policiais heróis ou virtuosos dos antigos filmes. O elenco é bom, com atores da categoria de Morgan Freeman. O problema nesse aspecto porém vem da escalação de Christian Slater. Ele não tem muito cacife para levar um filme inteiro nas costas. É um ator fraco, de carisma apagado. Curiosamente o papel deveria ser de Mel Gibson, que acabou recusando por não encontrar espaço em sua agenda (na época ele estava bem ocupado trabalhando não apenas como ator, mas também como diretor). Mesmo assim o filme funciona no final das contas. "Hard Rain" sobreviveu até mesmo ao opaco Christian Slater.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Cine Action - O Principal Suspeito

Título no Brasil: O Principal Suspeito
Título Original: Nightwatch
Ano de Produção: 1997
País: Estados Unidos
Estúdio: Dimension Films
Direção: Ole Bornedal
Roteiro: Ole Bornedal
Elenco: Ewan McGregor, Nick Nolte, Josh Brolin, Patricia Arquette
  
Sinopse:
Martin Bells (Ewan McGregor) é um jovem estudante de direito que para pagar suas contas até sua formatura acaba arranjando emprego como guarda noturno em um necrotério. Seu turno é realizado durante as madrugadas e é justamente nesse horário que ele descobre que algo muito estranho anda acontecendo pelos corredores escuros do lugar onde trabalha. Pior do que isso, ele termina sendo acusado de uma série de crimes ligados ao morgue que ele definitivamente não cometeu. Agora terá que se virar para sobreviver e provar sua inocência.

Comentários:
A Dimension Films é uma companhia cinematográfica especializada em filmes de fantasia, terror e suspense. Nos anos 90 ela produziu esse curioso filme de suspense e ação que chamou bastante a atenção da crítica. Na verdade o que temos aqui é um thriller psicológico muito bem amarrado, com roteiro inspirado, que usa de uma situação básica e banal para dar origem a um grande e complexo sistema envolvendo crimes em série. A imagem que sempre me vem à cabeça em relação a essa produção é a de um jovem Ewan McGregor desesperado com um taco de beisebol nas mãos percorrendo as salas e corredores sinistros de um necrotério, completamente sozinho à noite, sem saber que está entrando em um perigoso jogo mortal. O grande diferencial é que na direção temos a presença do talentoso cineasta dinamarquês Ole Bornedal. Embora não fosse na época muito conhecido nos Estados Unidos ele tinha uma reputação e tanto em seu país natal. Realmente ele dirigiu excelentes filmes como "Nightwatch - Perigo na Noite". Assim ele acabou imprimindo para essa produção Made in USA aquele ritmo mais sofisticado e cadenciado das produções europeias, o que trouxe um estilo muito elegante ao filme como um todo. Infelizmente como não conseguiu ser muito bem sucedido dentro da indústria americana em termos comerciais acabou voltando para a Dinamarca. Não faz mal, esse "O Principal Suspeito" é sem dúvida o legado e a prova de seu talento como Filmmaker. Filme vencedor do Málaga International Week of Fantastic Cinema na categoria de Melhor Direção.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.